sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Adorações serenas

Aceite meu amor como um bem raro
Humano por lembrar a duras penas
O branco tão macio dos teus traços
O canto da tua alma tão poema

Teus lábios me embalaram num compasso
Ardente de uma harmonia tão serena
Os versos preenchendo os espaços
Teu corpo sendo a forma do poema

Enquanto fez-se a noite uma quimera
O céu foi estrelado de sorrisos
A lua dando calma à primavera

Segredos dos caminhos, devaneios
Vibrante sobre o mel do teu umbigo
Ouvi ao debruçar sobre os teus seios

Nenhum comentário:

Postar um comentário