terça-feira, 6 de outubro de 2015

Júlia

Jovem, bela e meiga
única dentre as musas
lido com seu lindo olhar esverdeado
isento de maldade
amante da natureza

Brando, o teu sorriso inebriante
repleto de ousadia e pureza
eu em minha mágoa então questiono
de onde pode vir tanta beleza?
entregue a lua sou só tristeza
réu do teu desprezo sem maldade
oculto a tua vida de vaidade
deixo minha vã vida pela tua.
embora longe qual o sol da lua
sinto teu perfume atrás do meu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário