domingo, 15 de maio de 2011

Sonata

Parece voltar aos poucos
sinto-me acordando serenamente
– Desta vez anunciou não ter a menor pressa –
Veio corando meus lábios,
acariciando meus dedos,
abrindo meus braços,
desabotoando minha roupa,
desejando meu corpo
– Com aquele sorriso no canto da boca –

Chega me deixar esbaforido.
Olhar de quem rasgou os compromissos
e despiu-se completamente
do peso das horas.

Então desfila pelo quarto,
abrindo as cortinas,
gozando gargalhadas alheias ao sol...
Quando de repente,
aproxima-se com a fúria de avalanche
que devasta uma rua
– E o meu peito quase a fugir pela boca –
Ela para e sussurra em meu ouvido:
- Sou tua!

5 comentários:

  1. Coisa mais linda! Me ponho a sorrir quando te vejo assim. todo dom.

    ResponderExcluir
  2. Ai que lindo Francisco... que momento mágico moreno!

    Beijos meus.

    ResponderExcluir
  3. Menino poeta talentoso,você é GRANDE!!!
    Que lindo!!!
    Beijosss, saudade de você ...

    ResponderExcluir