domingo, 26 de setembro de 2010

Adorações serenas

Aceite meu amor como um bem raro
Humano por lembrar a duras penas
O branco tão macio dos teus traços
O canto da tua alma tão pequena

Teus lábios me embalaram num compasso
Ardente de uma harmonia tão serena
Os versos preenchendo os espaços
Teu corpo sendo a forma do poema

Enquanto fez-se a noite uma quimera
O céu foi estrelado de sorrisos
A lua dando calma à primavera

Segredos dos caminhos, devaneios
Vibrante sobre o mel do teu umbigo
Ouvi ao debruçar sobre os teus seios

4 comentários:

  1. adorei esse, as duas primeiras estrofes estao lindas. parabéns (:

    ResponderExcluir
  2. "Teu corpo sendo a forma do poema...
    Segredos dos caminhos, devaneios
    Vibrante sobre o mel do teu umbigo
    Ouvi ao debruçar sobre os teus seios"

    Maravilhoso Francisco, sensualidade com toque de amor.

    Saudades de ti moreno... saudades.

    Beijos com mel

    ResponderExcluir